Madre Maria Bollezzoli

Primeira Superiora Geral

Maria Bollezzoli era filha única de Miguel e Teresa Zata; nasceu em Verona em 25 de janeiro de 1828. De família abastada, consegue o diploma de professora. Ainda muito jovem, sente-se atraída pela vida claustral, mas a renuncia para ficar com os pais que precisam dela.

Ao ficar sozinha, contata seu Pároco, Pe. Zefirino Agostani, na Paróquia de S. Nazaro para dedicar-se à obra apostólica, sobretudo em favor das meninas pobres. Depois, começa a fazer parte da Pia União das Ursolinas. Mons. Comboni a convida para assumir a responsabilidade das jovens aspirantes à missão africana, mas inicialmente, diz não. Depois, encorajada também pelo Card. Di Canossa, Bispo de Verona, no dia 6 de setembro de 1874, passa para S.Maria in Organo e permanece sempre na Casa Madre: O seu sim é irrevogável à vontade de Deus na fé.

Assume o Instituto ainda nos seus inícios. As jovens a ela confiadas provêm de experiências duras, negativas. Fica próxima das jovens e caminha com elas: Em 8 de dezembro daquele ano (1874) com as jovens recebe o hábito, cerimônia que dá início ao Noviciado. Dois anos depois, em 15 de outubro de 1876, com Ir. Teresa Grigolini é a primeira a pronunciar os votos religiosos na presença do Fundador.

Quando morre o Fundador em 10 de outubro de 1881, Bollezzoli não perde a coragem. Fiel à palavra dada encontra na oração a força de repetir o seu sim e confirma as irmãs na sua vocação missionária:

“Queridas filhas, coragem, sejam fortes e generosas. Não desanimem. Fiéis e entusiastas mantenham-se no serviço que a Providência divina lhes confiou…”. Durante o seu serviço como Madre Geral o Instituto vive os acontecimentos dolorosas da Madia: prisão das irmãs em Delen e em El Obeid, fuga de Cartum para o Egito das outras irmãs. Em Verona, a inundação do rio Adige em 1882. O Instituto vive grandes dificuldades econômicas. Antes da sua morte, em 23 de abril de 1901, Madre Maria Bollezzoli tem a consolação de ver as portas do Sudão reabertas e o recomeço da atividade missionária, depois do fim da Madia em 2 de setembro de 1898.

O SEU TESTAMENTO
AMAI-VOS. MINHA MAIOR ALEGRIA NO OUTRO MUNDO SERÁ VER QUE VOCÊS SE AMAM E SE AJUDAM MUTUAMENTE. AFINAL, SOMOS FILHAS DO MESMO PAI.